00:00
19° | Nublado

ALFABETO ANGELICAL
Os traços lúdicos de Arthur ilustram um livro pra lá de especial

O pai incentiva o filho Arthur a criar: “os traços infantis são lindos”, diz. Ao lado, o pequeno quadro do anjo reproduzido na capa do livro

Publicado em 16/07/2015

O artifício utilizado é o que menos importa. Arthur gosta de desenhar com o que tiver em sua frente. Com lápis de cor ele já desenhou até mesmo numa tela no lugar de tinta. E ficou bonito. O menino de 9 anos, estudioso e dedicado às suas atividades, gosta de arte. No apartamento onde mora com os pais, ele acostumou a ver em seu redor quadros de artistas locais e bem conceituados, como Rodrigo de Haro e Assis, que ilustram as paredes da sala e do corredor, que parecem uma galeria pela diversidade de obras expostas. De tanto desenhar, o menino ganhou um presente. Um pequeno livro todinho ilustrado por ele, o Alfabeto Angelical.

O incentivo foi dos pais, o engenheiro civil aposentado Laerte Tavares, e a mãe, Sandra, que é pedagoga. Desde bem pequeno, enquanto a mãe trabalhava, Arthur fazia traços com suas canetinhas e assim passava o tempo. Os desenhos preferidos? “Os carros”, conta o pequeno. Escrever ele também gosta. Documenta em seus textos ricos em detalhes, os passeios que faz com a turma da escola. Orgulha ainda mais o pai, que é autor de rimas e tem alguns livros publicados.

O pequeno em dois momentos: elaborando suas ilustrações e conferindo a obra finalizada

O Alfabeto

Com o passar dos anos, os desenhos foram mudando, até que despertaram o interesse do pai. “Achei aquilo tão diferente que logo me veio em mente fazer versos utilizando as ilustrações, um alfabeto de A a Z”, conta Laerte. Aproveitando as férias escolares de julho na casa de praia, pai e filho foram parceiros, um na escrita, e o outro nas ilustrações de anjos, flores, animais e outras caracterizações que completariam o abecedário. O que de início era apenas uma brincadeira, virou o livro Alfabeto Angelical. Foram 400 exemplares de tiragem, presenteados a amigos e parentes e com pontos de venda em algumas livrarias da cidade.

A capa do livro? A ampliação de um quadrinho muito especial para Arthur, de um anjo presenteado a ele por Rodrigo de Haro, que além de amigo da família, é um grande inspirador para o menino. “É importante a criança ser incentivada a criar, os traços infantis são os mais lindos”, destaca o pai, que já planeja escrever outros títulos para que o filho ilustre.

Gabriela Morateli Giordani