00:00
21° | Nublado

Nova etapa
Primeira operação de corte dos cabos da barra de olhal da Ponte Hercílio Luz acontece no começo do mês

A conclusão da restauração está prevista para o final de 2018 (Foto: James Tavares / Secom)

Publicado em 07/11/2017

As obras de restauração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, estão avançando para uma nova etapa. Já foram concluídos os cortes dos 28 cabos pendurais do lado continental e do lado insular. No último dia 6/11, começaram a ser cortados os cabos das barras de olhal. Será fechado apenas o tráfego de embarcações abaixo da ponte. A operação só será cancelada em caso de ocorrência de chuvas ou ventos fortes.

O engenheiro fiscal da obra, Wenceslau Diotallévy, explica que após os cortes dos cabos, começarão a ser retiradas as próprias barras de olhal, processo que vai transformar o visual do cartão postal catarinense. Os trabalhos de restauração da Ponte Hercílio Luz estão sendo realizados pela empresa Teixeira Duarte, contratada pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) do Governo de Santa Catarina.

Depois da retirada das peças antigas, ainda serão realizados trabalhos intermediários e, então, a montagem da nova estrutura. A ponte receberá cerca de 2 mil toneladas de metal novo, o que representa aproximadamente 40% da atual estrutura. Muitas das novas peças, fabricadas no Brasil e no exterior, já foram compradas e estão em depósitos no canteiro de obras. A conclusão da restauração está prevista para o final de 2018.

Fases da obra

A primeira fase foi dividida em cinco etapas. Na primeira operação, em fevereiro deste ano, foram içados 13 centímetros do vão central. Em outubro, foram elevados 41,3 centímetros. O trabalho foi realizado sempre à noite para evitar influências térmicas.

Na segunda etapa, foram retirados os cabos pendurais. Na terceira fase – a prevista para começar neste mês - as barras de olhal serão removidas simultaneamente, nas laterais da Ilha e no Continente, seguindo uma sequência pré-determinada. Por último, na quarta fase, o tabuleiro é rebaixado e depois elevado nas extremidades para aliviar a tensão, permitindo a retirada das barras de olhal restantes.

 

 

Da Redação