00:00
21° | Nublado

Para se refrescar
Instalação de piscina com deck integrado é uma boa pedida para curtir dias quentes sem sair de casa

Projeto de deck e piscina integrados foi assinado pelos arquitetos Tiago Patrício e Amanda Carvalho (Foto: Imagem da Ilha)

Publicado em 27/10/2017

Na última edição do caderno de Arquitetura e Decoração, o Imagem da Ilha resgatou uma série de reportagens, realizada em 2007, sobre as etapas da construção de uma casa no bairro Cacupé, no norte de Florianópolis. Dez anos depois, a equipe do jornal traz a proposta de acompanhar as reformas que o local está passando, além das mudanças feitas durante este período, como a instalação de uma piscina e deck - para que a família aproveite melhor os dias quentes sem sair de casa.

Em 2013, a proprietária da casa sugeriu ao restante da família que fosse construída uma piscina na área externa, pois se sentia incomodada com o excesso de lama deixada no quintal após dias de chuva. “Ela teve a ideia com um objetivo duplo: eliminar o problema da sujeira e criar uma área de lazer para a família. A proposta foi aceita por todos e depois de 45 dias, a piscina foi inaugurada”, relembra o proprietário.

Um dos arquitetos que assinou o projeto, Tiago Carvalho conta que quando foi contatado pelos proprietários, eles já haviam definido o modelo de piscina a ser utilizado, mas faltava algo que integrasse o ambiente: um deck. “A pedido dos moradores, nós também aumentamos a área pavimentada. Eles se queixavam muito da sujeira oriunda da área externa para dentro de casa. Para ambientar melhor o espaço criamos alguns canteiros com vegetação e iluminação cênica através de arandelas. Essa área foi tratada como uma extensão da varanda existente da casa, pois não queríamos intervir na arquitetura original”, destaca.

A arquiteta e urbanista Amanda Carvalho também auxiliou o desenvolvimento do projeto e garante que não importa se o lar é apartamento ou casa. “O que irá definir se é possível a instalação do equipamento é o espaço, que requer algumas regras”, explica. Mesmo em locais menores, é possível ter uma área de lazer bem refrescante em um curto período de tempo. 

A família optou por um modelo retangular, mas além deste, o mercado dispõe de uma grande variedade de formas e tamanhos de piscinas em fibra de vidro: ovais, triangulares, spas, com cascata, escada e outros recursos. O modelo a ser escolhido depende diretamente da área que se dispõe para sua implantação. “Vale lembrar que além do espaço da piscina propriamente dito, é importante prever uma área em volta para circulação e estar. Até mesmo em espaços reduzidos é possível instalar um pequeno spa com deck ”, destaca a arquiteta Amanda.

De acordo com ela, é importante que um técnico especializado analise o terreno, a fim de evitar problemas futuros como movimentações de terra, que podem provocar rachaduras na piscina. Além disso, deve-se levar em conta a posição do local em relação à rota do sol, para que no verão, quando o seu uso é mais intenso, esteja bem servida de calor.

O especialista em piscina, Eduardo Panello, explica que além do tamanho da piscina – que varia de 3,8 metros de comprimento por 2,2 metros de largura para as menores, que acomodam um casal, por exemplo, e 11,5 metros por 4,5 metros para as maiores, que acomodam até 12 pessoas -, é necessário para a medição do terreno acrescentar mais um metro para a largura e outro para o comprimento. “Com essas medidas é possível criar um deck de madeira ao redor da piscina ou fazer um acabamento em mármore”, destaca.

Prazo e demanda

As piscinas em fibra de vidro são mais vantajosas em relação às de azulejo, principalmente pela rapidez de sua instalação e preço reduzido – podem custar quatro vezes menos que as outras. De acordo com Panello, é possível ter uma piscina em casa em até quatro dias, dependendo do local. Se o terreno  precisar de escavação, esse prazo será alterado. Porém, como o final de ano é época de muitas demandas de serviços nas fábricas e carência de mão de obra de funcionários, o prazo pode ser estendido em pouco mais de um mês.

Para o arquiteto Tiago Patrício, o mais importante é avaliar qual modelo de piscina corresponde melhor à necessidade da casa e da família. “Apesar de os modelos em fibra geralmente terem uma instalação mais rápida, eles não são esteticamente tão bacanas como as piscinas moldadas in loco”, destaca. O mercado oferece uma infinidade de revestimentos, inclusive outras soluções além das tradicionais pastilhas.

Higiene

De acordo com a arquiteta Amanda, as piscinas em fibra costumam ser mais higiênicas que as de azulejo devido à menor possibilidade de acúmulo de sujeira, fungos e bactérias. Além disso, diz ela, é praticamente nula a possibilidade de ocorrer algum tipo de vazamento. A manutenção básica é realizada com tratamento químico apropriado para não provocar manchas e outros danos à piscina. Piscinas em fibra de vidro são feitas em uma única peça revestida com fibra de vidro, que é um polímero composto pela aglomeração de filamentos de vidro muito finos, aos quais é adicionada uma resina de poliéster.

O lar

Localizada num terreno de 420m², a casa possui elementos de concreto aparente e formato de prisma retangular com uma área de 300m², pé direito duplo e ambiente bastante integrados e iluminados. O projeto arquitetônico permitiu uma abundante insolação e ventilação, além de ambientes integrados, sem muitas paredes internas. Ela é composta por um grande prisma retangular entrecortado por blocos irregulares, constituindo uma caixa – atualmente de cor bege claro - com destaque para os vidros laminados e verdes.

No térreo, a área social é toda integrada, desde o hall, passando pelo living, com pé direito duplo e pela ligação com as aberturas para a cozinha gourmet. Já a área íntima fica no pavimento superior com o dormitório dos filhos em uma extremidade e a suíte do casal voltada para a fachada principal, conectada por um mezanino com vista para o living e piscina.

 

Da Redação